Desenvolvimento de carreira

Estilos de lideran ccedil a no trabalho: dicas e exemplos

Em algum momento de sua carreira profissional, você provavelmente terá que desempenhar um papel de liderança. Talvez ao liderar um projeto, chefiar uma equipe ou comandar uma reunião. Seja qual for a situação, é importante se preparar.

Ao desempenhar o papel de líder, um profissional tem que conjugar diferentes métodos e procedimentos para atingir os objetivos da empresa e as necessidades de seus funcionários. Uma liderança eficaz exige que o gestor consiga desempenhar diversos estilos de liderança ao mesmo tempo.

Para melhorar sua capacidade de liderança, você deve conhecer as diferentes formas de liderar. Assim, poderá entender como outros gestores trabalham e compreender seu estilo. Por isso, preparamos algumas dicas que ajudam a identificar seu próprio perfil e adotar um estilo de liderança adequado.

Candidate-se facilmente com um Currículo Indeed

Sete estilos de liderança no trabalho

O estilo de liderança reflete tanto as experiências profissionais e pessoais quanto a personalidade do profissional. A cultura organizacional e as necessidades da empresa também contribuem na formação de um perfil de líder. Não há um líder igual ao outro, mas existem alguns tipos comuns de liderança frequentes em um ambiente de trabalho. Veja sete perfis de líderes no trabalho:

Líder treinador: foco nas pessoas e nos resultados

O líder treinador procura atingir um bom resultado para a empresa por meio do desenvolvimento de pessoas. Ele identifica rapidamente o perfil e o potencial de cada colaborador, para treinar cada um conforme suas características próprias. Dessa forma, faz com que os colaboradores se desenvolvam de acordo com suas habilidades.

A distribuição de metas e desafios é feita de forma inteligente, conforme a competência e as motivações dos funcionários. O líder treinador desenvolve em seus colaboradores habilidades emocionais, comportamentais e técnicas. Seu foco está em trabalhar pontos de melhoria em cada pessoa. O líder treinador baseia-se no feedback constante para ajustar projetos, definir ações e estabelecer novos desafios. As reuniões com os funcionários são assertivas, estimulam o crescimento e possibilitam o ajuste constante de processos.

Esse tipo de liderança possibilita desenvolver talentos, pois seu foco está nas pessoas, não apenas no resultado. Com orientações claras, o líder estabelece expectativas e cria um ambiente favorável para o colaborador, que se mantém motivado para alcançar metas e resultados. Ele se sente pertencente à cultura organizacional e busca a todo momento realizar algo melhor.

Exemplo:

Durante um feedback individual trimestral, o gerente de uma loja pode comparar os números do vendedor com o resultado geral do estabelecimento. Depois disso, é importante descrever os aspectos nos quais o vendedor se destaca e aqueles em que precisa melhorar no próximo trimestre. Por fim, o gerente pode finalizar o feedback motivando o vendedor, encorajando-o a atingir suas metas e a alcançar postos mais altos na empresa.

Líder visionário: visão de negócio e forte vínculo organizacional

O líder visionário dá maior poder de decisão aos membros de sua equipe. Ele deixa que decidam em conjunto os melhores caminhos e soluções para resolver. Esse tipo de liderança tem a vantagem de impulsionar mudanças significativas no negócio, pois os funcionários ganham confiança para promover novas ideias.

O líder visionário promove um fortalecimento do vínculo organizacional, pois suas decisões são tomadas em conjunto. Empresas novas ou pequenas preferem esse perfil, pois ele é capaz de promover um crescimento maior. É o caso, por exemplo, de empresas que estão passando por um momento de reestruturação corporativa.

Exemplo:

O diretor de uma escola convoca um grupo de professores para uma reunião. O objetivo é formar um comitê para solucionar problemas de aprendizagem. Discutindo caso a caso, os membros do grupo sugerem soluções para ajudar as crianças que passam por essa dificuldade. Com essa proposta, o diretor conseguiu mobilizar os colaboradores para a resolução de um problema específico relacionado à sua atividade principal.

Líder autocrático: foco na disciplina e na eficiência

O líder autocrático tem um estilo considerado autoritário. Ele estabelece as diretrizes ou apenas repassa aos funcionários instruções definidas por gestores acima dele. Seu foco está em garantir a disciplina da equipe em relação ao plano estabelecido, com o objetivo de assegurar resultado e eficiência. Nesse tipo de liderança, mesmo que a questão seja discutida, cabe ao líder tomar a decisão final. Esse perfil de gestor costuma ser muito exigente com seus funcionários.

Esse tipo de liderança é útil em organizações que têm diretrizes especialmente rígidas ou em projetos com prazos muito apertados e especificações já bem definidas. Costuma também ser praticada por gestores com pouca experiência em sua função, como forma de manter um controle rígido dos processos sob sua responsabilidade.

Esse perfil geralmente limita a liberdade e a criatividade dos funcionários, portanto não é recomendável fora de contextos muito específicos. Um funcionário sob tensão permanente e sem espaço para se desenvolver tende a perder a motivação e a querer sair da empresa.

Exemplo:

Antes de uma reunião importante com um cliente, um gerente de marketing chama sua equipe e diz o que cada pessoa deverá apresentar. Ele quer garantir que tudo ocorra como planejado, então define todas as falas do roteiro. Não abre espaço para sugestões nem questionamentos; pede que todos executem sua parte com excelência. Dessa forma, ele assume toda a responsabilidade pela estratégia.

Líder laissez-faire: foco na delegação de tarefas

Oposto da liderança autocrática, aqui o líder passa muitas tarefas ao seus colaboradores e não acompanha de forma tão próxima o desenvolvimento. Normalmente, líderes assim preferem dedicar mais tempo a outras atividades relacionadas à sua função, como negociação com outros setores, pesquisa de novos processos e atendimento a clientes externos.

A liderança laissez-faire é uma boa opção quando a equipe está em um estágio avançado em termos de autogestão e qualificação técnica. Os funcionários precisam ser experientes e altamente qualificados, além de saber trabalhar bem em equipe. Se for diferente, a falta de acompanhamento pode trazer uma queda nos resultados e na produtividade.

Exemplo:

Em uma empresa de TI, um gestor comanda uma equipe grande de desenvolvedores. Cada membro é responsável por um aspecto do projeto: o desenvolvimento de um novo produto. As especificações foram apresentadas no início do projeto, assim como um prazo final de entrega. Agora, os funcionários distribuem as tarefas entre eles, conforme suas habilidades. O gestor faz reuniões semanais para saber como está o andamento do projeto, mas não controla as atividades diárias.

Líder burocrático: foco em regras e em processos

Líderes burocráticos focam o cumprimento de entregas e prazos bem-definidos. Esperam que sua equipe siga regras e processos exatamente como foram propostos.

Esse estilo propicia pouca colaboração criativa. O líder dá pouca margem a alterações de cronograma, à redistribuição de tarefas ou a modificações nas especificações originais. As atividades são propostas a partir de listas estritas de responsabilidades.

A liderança burocrática é mais eficaz em departamentos e setores que obedecem a uma regulação rígida. Alguns exemplos são instituições na área da saúde, órgãos governamentais e empresas do mercado financeiro.

Exemplo:

O gerente de um supermercado orienta seus estoquistas a trabalhar com uma rotina de tarefas específica e bem-definida. As etapas são realizadas de forma metódica, sempre na mesma ordem. Concluídos os procedimentos, os estoquistas devem revisar tudo que foi feito e registrar em documentos de controle.

Líder democrático: foco em decisões compartilhadas

Apostando numa gestão democrática, o líder inclui os membros de sua equipe na tomada de decisões. Assim, faz com que todos participem ativamente da construção de soluções, assumindo também maior responsabilidade pelos resultados. O estilo de liderança democrática também é chamado de estilo participativo.

O líder democrático é aquele que consulta a opinião da equipe a todo momento, promove reuniões frequentes, abre espaço para novas ideias e pede feedback de seus funcionários. Nesse formato de gestão, a equipe sente que é ouvida, o que gera mais satisfação entre os membros. É um estilo eficaz em empresas com foco em atividades criativas e inovadoras, como a indústria de tecnologia.

Exemplo:

Um gerente de loja, contrata vendedores experientes e motivados, nos quais confia muito. Quando precisa de novas estratégias para alavancar as vendas, sempre consulta sua equipe, atuando como moderador. Assim, seus vendedores se sentem mais valorizados e responsáveis pelo desempenho da loja quando suas estratégias dão resultado.

Líder situacional: foco no contexto da organização

A liderança situacional adequa-se ao contexto de cada empresa, às características dos profissionais que compõem cada equipe e a diferentes situações. É uma liderança adaptativa. O gestor procura se adaptar às exigências de uma situação de forma rápida e eficiente.

De certa forma, esse estilo exige que o líder transite entre todos os estilos anteriores. Para adequar sua abordagem a diferentes situações, o gestor precisa ter habilidades técnicas e comportamentais desenvolvidas. Afinal, seja qual for o estilo adotado, é preciso ter coerência nas decisões e na forma de tratar os funcionários.

Exemplo:

Um gerente de uma loja de veículos muda sua forma de direcionar tarefas diárias, reuniões e feedbacks quando sua equipe muda. Ele retoma processos iniciais de integração, cultura de marca e passos da venda. Com a equipe anterior, sua gestão era totalmente centrada em vendas. Ou seja: a liderança mudou conforme o momento atual da empresa; antes, tinha uma equipe antiga com vendedores já treinados, mas agora precisa retomar passo e voltar sua atenção para demais tarefas. Ambas formas podem trazer resultados efetivos, pois estão focadas na necessidade do funcionário e da empresa.

Lembre-se que além dos mencionados aqui, existem muitos outros tipos de liderança. É possível ser um bom líder tendo qualquer um desses estilos, desde que ele seja compatível com as exigências da sua empresa ou do projeto em que atua.