Cinco exemplos de como lidar com perguntas de pegadinha na entrevista

Por Equipe editorial do Indeed

Atualizado em: 31 de outubro de 2022

Publicado em: 29 de junho de 2021

A Equipe Editorial do Indeed é formada por um grupo diverso e talentoso de escritores, pesquisadores e especialistas que usam os dados e as informações do Indeed para oferecer dicas úteis que ajudam a guiar sua carreira.

A entrevista costuma ser o último passo que antecede a contratação para uma vaga de emprego. É nela que o recrutador tem a oportunidade de conhecer o histórico que você descreveu no seu currículo, além de poder fazer perguntas mais específicas, que são capazes de transparecer uma impressão mais ampla sobre o candidato e que normalmente não transparece em eventuais etapas anteriores, como uma dinâmica em grupo, por exemplo.

Um dos momentos mais temidos em uma entrevista pelos candidatos a uma vaga de emprego são as famosas perguntas de pegadinha. Elas podem fazer você não ter muita certeza do que responder e até titubear na frente do recrutador. Como algumas destas perguntas acabam sendo mais sucintas e passam despercebidas, é muito importante que o candidato esteja preparado para lidar com elas quando o recrutador as fizer.

Relacionado: O que falar numa entrevista de emprego

O que são as perguntas de pegadinha na entrevista de emprego?

Podemos classificar como perguntas de pegadinha aquelas que não tem como objetivo enganar o candidato, mas que podem colocá-lo em situações complicadas. Nesses tipos de pergunta, normalmente as respostas dadas pelo profissional durante a entrevista podem não ser consideradas adequadas ou podem ser levadas para o aspecto pessoal, como falar mal de uma empresa ou chefe, por exemplo.

Algumas entrevistas de emprego seguem um tipo de roteiro padrão e tendem a ser mais previsíveis, enquanto em outros modelos há uma liberdade maior para o entrevistador fugir do roteiro e fazer outras perguntas que ele possa julgar pertinente. Como não temos como saber qual tipo de entrevista será realizada, é importante estar preparado e se manter tranquilo para qualquer tipo de pergunta que possa surgir.

Contudo, é importante lembrar que decorar as respostas para as perguntas que poderão ser feitas durante a entrevista não é algo recomendável. Afinal, além de prejudicar a naturalidade durante o processo, o entrevistador poderá achar que você não está sendo autêntico, o que poderá prejudicá-lo.

Relacionado: "Quais suas expectativas em relação à vaga pretendida?" - Como responder

Como se preparar para perguntas de pegadinha na entrevista?

Conhecer as perguntas mais comuns em entrevistas de emprego é algo que pode ajudar. Afinal, muitas perguntas são essenciais e, por isso, acabam se repetindo nos processos seletivos. Ao conhecer algumas delas com antecedência, você poderá se precaver para qualquer imprevisto que possa colocá-lo numa situação complicada.

Porém, lembre-se de que conhecê-las não é sinônimo de decorar respostas para elas. A chave aqui é desenvolver o seu autoconhecimento, ou seja, refletir sobre sua trajetória, habilidades, características, êxitos e quaisquer outros detalhes sobre a sua carreira profissional.

Em sua entrevista, o seu objetivo deve ser parecido com um processo de venda, no qual o produto principal são as suas competências, experiências e o que você pode fazer pela empresa para a qual se candidatou. Por isso, falar com propriedade sobre si, reforçará o que você descreveu em seu currículo, além de transmitir confiança para o recrutador.

Relacionado: Pergunta de entrevista: "Qual a maior conquista da sua vida?"

Quais são as principais perguntas de pegadinha?

É muito comum que o candidato fique nervoso e com receio de não responder às perguntas feitas pelo entrevistador de maneira adequada. Esse receio é ainda maior quando se trata da primeira experiência profissional. Por isso, é muito importante que você mantenha a calma e seja o mais autêntico e profissional possível, pois isso transmitirá confiança durante a entrevista.

Há perguntas que causam um desconforto e que podem levá-lo a cometer algum equívoco, mesmo que sua intenção e preocupação seja a de oferecer uma resposta rica em detalhes para o entrevistador. Um exemplo disso é a pergunta: “Em sua última experiência, você saiu por conta própria ou foi demitido?”. Perguntas assim costumam ser muito delicadas, pois experiências profissionais que envolvem desligamentos podem envolver sentimentos controversos, o que pode fazer com que o candidato acabe mencionando detalhes que são considerados desnecessários e que não deveriam ser mencionados durante o processo seletivo.

Por isso, listaremos a seguir algumas das principais perguntas de pegadinha que podem aparecer nas entrevistas de emprego, juntamente com algumas sugestões de como respondê-las de forma apropriada.

Relacionado: Tipos de entrevista mais usados

“Em sua última experiência, você saiu por conta própria ou foi demitido?”

Como mencionamos acima, perguntas relacionadas a experiências anteriores podem levar muitos candidatos a respostas que podem prejudicá-lo na entrevista, pois críticas feitas às outras empresas podem não ser bem-vistas. Além disso, o entrevistador não espera ouvir os mínimos detalhes de eventuais problemas e situações pelas quais você tenha vivido na empresa anterior. Portanto, jamais minta e não titubeie, mas seja objetivo em sua resposta e evite entrar em pormenores sobre seu emprego anterior. Lembre-se de manter a ética em primeiro lugar.

Veja alguns exemplos de respostas para este tipo de pergunta:

“Saí por conta própria, pois sentia que já havia atingido todos meus objetivos nessa empresa e não enxergava novas oportunidades. Portanto, optei por sair de lá para continuar aprimorando minhas qualificações profissionais.”

“A empresa optou por me desligar. Após um remanejamento, fui deslocado para um setor no qual não houve um bom alinhamento entre mim e as novas atribuições desta nova função. Infelizmente, também não era possível retornar ao setor anterior e meu desempenho caiu, o que culminou neste desligamento após 5 anos de empresa.”

“Onde você se enxerga daqui a X anos?”

Essa é uma pergunta muito comum nas entrevistas de emprego e acabam fazendo os candidatos pensarem muito para respondê-la, pois a maioria das pessoas não costuma fazer este tipo de projeção. O objetivo dessa pergunta é verificar suas ambições profissionais e a pegadinha está não apenas em saber o que você está projetando para a sua carreira, mas também o que você está fazendo para atingir este objetivo.

Confira um exemplo de resposta:

“Daqui a 5 anos, tenho como objetivo ocupar o cargo de gerente financeiro, pois possuo experiência na área. Além disso, também estou focando nas qualificações necessárias, como o MBA que curso atualmente. Por último, busco aprender a desenvolver competências importantes para este tipo de cargo, como a liderança, então creio que conseguirei alcançar este cargo no futuro.”

“Qual seu nível de inglês (ou de qualquer outro idioma)?”

Essa pergunta deve ser respondida da forma mais sincera possível. Afinal, dependendo da resposta que você der, é possível que o entrevistador comece a testá-lo no idioma mencionado para verificar se o nível que você tem é condizente com o que afirmou na resposta. Por isso, jamais minta sobre essa ou qualquer outra competência em uma entrevista de emprego, pois o recrutador pode perceber e isso minará as suas chances para obter a vaga. Caso você não tenha certeza sobre o seu nível de fluência, comente sobre sua habilidade de leitura, compreensão auditiva, fala e leitura no idioma em questão.

Exemplo de resposta:

“Meu nível de inglês é intermediário. Estudei inglês por dois anos e atualmente consigo compreender boa parte do que leio e escuto. Na questão da fala, consigo formular frases com vocabulário simples, mas ainda tenho dificuldades para manter uma conversa sobre assuntos mais complexos.”

“Fale mais sobre você”

Por ser uma pergunta de resposta aberta, você precisa tomar cuidado com o que dirá. Lembre-se de que ser objetivo é fundamental durante a entrevista e que, por isso, é importante não falar mais do que deveria.

Um dos principais objetivos do entrevistador com essa pergunta é analisar a sua capacidade de formular e sintetizar uma história coesa com início, meio e fim sobre sua carreira. Além disso, tenha em mente que ele deseja saber sobre sua trajetória profissional, embora não seja proibitivo mencionar brevemente questões pessoais para criar ganchos e um pouco de conexão com o entrevistador.

Exemplo de resposta:

“Venho de uma família de advogados e não demorou muito para descobrir que também tinha aptidão e interesse em Direito. Por isso, ingressei nesta faculdade logo após concluir o ensino médio e estagiei por dois anos no escritório X, especializado na área previdenciária. Descobri que não era a área que mais me trazia satisfação e como não havia outras áreas nesse escritório, optei em trabalhar com processos da área trabalhista por conta própria logo após ter me formado e ter sido aprovado na OAB. Tenho me aprimorado na área e meu objetivo é trabalhar para um escritório.”

Relacionado: Como responder à pergunta “Fale sobre você” numa entrevista de emprego

“Comente sobre um erro que você já cometeu no trabalho e como lidou com ele”

Falar sobre erros é uma das questões mais difíceis porque ninguém gosta de errar e muitas pessoas possuem dificuldades em admitir os erros que cometeu. O objetivo deste tipo de pergunta não é julgar o candidato e o erro que ele possa ter cometido, mas entender como é que a pessoa reage a este tipo de situação.

Curiosamente, o principal erro que você pode cometer ao responder essa pergunta é dar a entender que não costuma cometer erros. Ela, aliás, é uma ótima oportunidade para mostrar o que você é capaz de fazer nas situações mais adversas, o que é bastante apreciado pelas empresas.

Exemplo de resposta:

“Cometi um erro na elaboração do orçamento para uma campanha, o que levou a empresa a investir mais do que deveria. Ao perceber isso, levei a situação para o meu superior e mobilizei a equipe para trabalharmos em alternativas para reduzir um eventual prejuízo, o que infelizmente não ocorreu, mas nesse processo desenvolvemos novas soluções que reduziram os custos das campanhas seguintes.”

Leia mais artigos