Quatro tipos de testes de entrevista de emprego

Por Equipe editorial do Indeed

Publicado em: 18 de maio de 2022

A Equipe Editorial do Indeed é formada por um grupo diverso e talentoso de escritores, pesquisadores e especialistas que usam os dados e as informações do Indeed para oferecer dicas úteis que ajudam a guiar sua carreira.

Você sabe quais são os tipos de testes de entrevista de emprego? É comum que as pessoas fiquem nervosas durante um processo seletivo, principalmente quem não passa por essa experiência já há um bom tempo. Aliás, mesmo profissionais com alta qualificação podem perder uma vaga por conta do nervosismo.

Por isso, prepare-se com antecedência e aprenda sobre as técnicas e testes que poderão ser utilizados durante a seleção. Esse é um conhecimento que costuma reduzir o medo e melhorar seu desempenho. Confira, a seguir, quatro tipos de testes de entrevista de emprego e quais as principais características de cada um deles.

Tipos de testes de entrevista de emprego

Não é raro que ocorra a reprovação de excelentes profissionais em processos seletivos simplesmente por terem recebido um tipo de teste desconhecido. Por vezes, as entrevistas focam em avaliar aspectos subjetivos, mais do que propriamente qualidades profissionais.

O objetivo de uma entrevista de emprego não é reprovar pessoas, mas selecionar quem mais se encaixa no perfil procurado pela empresa. Não saber o que recrutadores estão avaliando na seleção pode deixar você em desvantagem em relação à concorrência. Veja, na lista a seguir, alguns tipos de testes que podem ser utilizados em entrevistas de emprego:

1. Teste de fit cultural

A cultura organizacional tem sido um dos principais fatores a serem considerados nos processos seletivos, afinal, ela representa a missão, a visão e os valores de uma empresa. Todas as pessoas colaboradoras precisam estar em sintonia com essa cultura para que ela seja fortalecida. O teste de fit cultural é a ferramenta que possibilita que a equipe de recrutamento avalie se as características de quem se candidata estão alinhadas aos valores e expectativas da organização.

Esse teste propõe-se a averiguar se determinada pessoa é adequada para o ambiente de trabalho e qual o nível de esforço necessário para adaptá-la ao quadro de colaboradores. Do ponto de vista de quem se candidata, o fit cultural serve como indicador da compatibilidade da organização com o seu perfil. Antes de assumir o emprego, será possível verificar se o ambiente onde você atuará é saudável e se existe espaço para desenvolvimento profissional.

O teste é uma entrevista semiestruturada com três categorias gerais de perguntas: padronizadas, interativas e não-convencionais (ou inesperadas). Perguntas padronizadas são mais genéricas e servem para deixar a conversa descontraída. São comuns em praticamente toda entrevista, como “Onde você espera estar daqui há 10 anos?” ou “Qual seu maior defeito?”. Já as perguntas interativas são questionamentos que demandam respostas mais complexas, como “Qual sua motivação diária para trabalhar?” ou “O que mais incomoda você no trabalho em equipe?”.

Por sua vez, perguntas não-convencionais podem abordar qualquer assunto e são praticamente imprevisíveis. Apesar de o motivo delas não ser tão óbvio à primeira vista, a função de tais perguntas é pegar a pessoa de surpresa e testar como reage em determinadas situações. “Do que as pessoas não gostam em você?” ou “Qual o maior erro que você já cometeu no trabalho?” são exemplos desse tipo de pergunta. Durante esse teste, não tenha pressa e responda com honestidade.

2. Teste de conhecimentos específicos

O principal objetivo dos testes de conhecimentos específicos, ou testes técnicos, é avaliar suas habilidades em uma determinada área do ponto de vista teórico e prático. Essa avaliação geralmente é feita com pessoas pré-selecionadas em um exame anterior e verifica como elas lidam com o desafio proposto e se realmente têm as competências técnicas necessárias para ocupar a vaga.

Os testes são organizados conforme o perfil profissional requisitado pela empresa e aplicados por meio de prova escrita ou prática. As questões da prova escrita podem ser de múltipla escolha ou discursivas, direcionadas para o tipo de conhecimento que é pertinente ao cargo, como português, matemática ou informática. Já o teste prático visa averiguar a capacidade da pessoa de transformar seus conhecimentos em resultados. Se a vaga é para a área de vendas, por exemplo, será preciso demonstrar habilidades como boa comunicação e técnicas de persuasão.

Outro tipo de teste de conhecimentos específicos é o de idiomas. Nele, são avaliadas competências como leitura, escrita e fluência na língua. Apesar de parecer assustador para quem não tem tanta confiança em suas habilidades, as perguntas costumam seguir a mesma lógica de uma entrevista no idioma nativo. Serão feitas indagações do tipo “Qual sua maior qualidade?" ou “Por que deveríamos contratar você?", mas utilizando a língua estrangeira previamente informada. Para aumentar suas chances de sair-se bem num teste técnico, é indispensável estabelecer uma rotina de estudos regular.

3. Testes cognitivos

A função principal dos testes cognitivos é medir sua capacidade analítica, que é a competência necessária para entender problemas complexos e resolvê-los de forma criativa e ágil. Esse tipo de exame avalia o caminho percorrido para a resolução do problema proposto e é aplicado em conjunto com entrevistas e provas para traçar o perfil de concorrentes à vaga. As principais categorias desse tipo de teste são: teste geral de aptidão e de inteligência geral, de atenção concentrada, de QI, de raciocínio lógico e de inteligência emocional.

Enquanto o teste geral de aptidão e de inteligência geral preocupa-se em avaliar fatores como raciocínio, lógica e habilidade de analisar dados, os testes de atenção concentrada são voltados para mensurar a capacidade de concentração. Esse último é aplicado da seguinte forma: é entregue para cada pessoa uma folha onde estão desenhadas diferentes formas geométricas, e, a partir disso, elas deverão encontrar uma sequência específica o máximo de vezes possível durante um tempo limitado.

Já os testes de QI são raros em processos seletivos hoje em dia, mas podem ser úteis para cargos que envolvam cálculos e códigos. Por outro lado, testes de raciocínio lógico são muito comuns e visam examinar seu desempenho na solução de problemas, interpretação de textos e planejamento de ações, utilizando questões de matemática. Por fim, os testes de inteligência emocional são recomendados para seleção de posições de liderança, e buscam compreender a forma como a pessoa lida com conflitos e críticas.

4. Testes de avaliação de comportamento e personalidade

O objetivo desse tipo de teste é entender a maneira de pensar e agir de uma pessoa. O teste DISC, por exemplo, pode ser usado para traçar o perfil profissional de alguém e verificar sua capacidade de trabalhar em equipe. Ele é aplicado na forma de um questionário de múltipla escolha no qual as opções de resposta são adjetivos. Para responder, é preciso escolher qual das palavras melhor lhe define e, em alguns casos, qual menos tem a ver com você. Nos questionários de avaliação tipológica (QUATI), são apresentadas seis situações hipotéticas com 15 pares de resposta cada, entre as quais deverão ser escolhidas aquelas que mais se adequarem ao comportamento e ideais das pessoas entrevistadas.

Já os testes Wartegg e de Zulliger têm algo em comum: a avaliação por meio de desenhos. No primeiro, são exibidos oito desenhos incompletos que deverão ser concluídos e numerados conforme a vontade dos concorrentes. No segundo, são exibidas figuras em formato de manchas, e a pessoa examinada deverá dizer o que cada forma significa para ela. Enquanto o método Wartegg mensura aspectos como autoconceito, afetividade, ambições, raciocínio e comprometimento, o método de Zulliger examina alguns fatores psicológicos como ansiedade e controle emocional.

Há ainda o Inventário Fatorial de Personalidade (IFP), que consiste em um formulário com 130 afirmações, às quais deverão ser atribuídas notas de um a sete de acordo com o grau de identificação do indivíduo, sendo sete a maior nota. Seu objetivo é identificar os 15 motivos psicológicos de uma pessoa. Por último, há o teste palográfico, que é bem comum em entrevista de emprego. Sua proposta é estudar a personalidade de quem se candidata por meio de traços verticais paralelos desenhados numa folha em branco.

Como se sair bem nos testes e na entrevista?

Entrevistas de emprego não precisam ser uma experiência negativa na sua vida. Por mais que não exista fórmula mágica para conseguir a aprovação, você pode tomar algumas atitudes para aumentar suas chances de ficar com a vaga. Estudar a cultura da empresa é uma delas, pois isso ajuda a entender a postura a ser adotada no processo seletivo. Pensar um pouco antes de responder as perguntas também ajuda bastante a dar respostas mais assertivas e a não parecer uma pessoa precipitada.

Além disso, não tenha medo de pedir explicações sobre alguma questão que não tenha ficado clara. Se necessário, peça para reformularem a pergunta, para não correr o risco de responder algo sem sentido. Agir de forma natural é igualmente relevante, pois demonstra confiança em si. Tentar simular um comportamento que não é o seu pode acabar sendo interpretado como insegurança. E, caso tenha gostado do assunto, você pode aprofundar-se ainda mais pesquisando sobre os testes de seleção para ter destaque nas entrevistas.

Leia mais artigos